Janine Mathias

Janine Mathias 1 Entrevista - Música - Revista Ritmo Melodia
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Tempo de Leitura: 6 minutos

Brasiliense radicada em Curitiba é a nova voz da música contemporânea brasileira com influências do RAP ao Samba, Janine Mathias está encantando o público com o álbum “Dendê”.

Com uma voz forte e marcante, Janine Mathias está conquistando seu espaço no Brasil. A artista brasiliense radicada em Curitiba, despontou no cenário nacional com um trabalho impactante que une Rap, Soul, Funk, Samba e suas vertentes. No final de 2018, a artista lançou o álbum “Dendê, Janine Mathias”, sucesso de crítica, produzido por Eduardo Brechó e Renato Parmi.

De pai carioca e mãe baiana, Janine Mathias nasceu em Brasília, se mudou para Curitiba em 2008, onde construiu sua carreira na música. Em sua infância, foi influenciada pelo pai e cantor Sambista, sua mãe ouvia Jazz, Blues e MPB, estilos que fazem parte de toda a sua formação musical. Em sua casa, era fácil ouvir artistas como João Nogueira, Maria Betânia, Witney Houston, Aretha Franklin e Jovelina Pérola Negra, Zeca Pagodinho que foram grandes referências para sua carreira.

“Sou apaixonada por música brasileira, e devo o meu estilo musical aos meus pais. Minha relação com o com o RAP veio da rua e o samba é minha memória ancestral. Esse turbilhão de experiências sonoras me transformou e reflete diretamente em meu trabalho. Amo minhas origens e carregarei isso para sempre”, comenta a artista.

Apesar de escrever poesias e cantar desde muito nova, a carreira profissional de Janine começou despretensiosamente em 2009, com um refrão de RAP que a levaria em 2012 a gravar em Curitiba seu primeiro EP. Até então, a artista se dedicava a outras profissões como atendente, vendedora e artesã. “Todo início é difícil, para qualquer pessoa, em qualquer profissão. Mesmo apaixonada por música, tive outras profissões até criar coragem e me jogar de cabeça na carreira artística em busca do meu espaço”, detalha Janine.

Após se lançar profissionalmente no mercado e idealizar o Samba da Nega, Janine assumiu um lugar de destaque no mercado, participando de festivais e shows com nomes como Criolo, Sandra de Sá, Karol Conká, Tássia Reis, Karla da Silva, Orquestra Friorenta, Bernardo Bravo, Tuyo, Cida Airam, As Bahias e a Cozinha Mineira, Mulamba, Baco Exu do Blues e Luedji Luna. “As coisas têm acontecido em uma velocidade incrível. Em pouco tempo, já dividi o palco com artistas que até a pouco tempo eu admirava de muito longe. Sei que é só o começo, estou muito feliz com a proporção que meu trabalho está ganhando, tenho consciência das parcerias do quanto trabalho e determinação isso tudo exige”, comemora.

Lançado no final de 2018, “Dendê” tem como grandes destaques as canções: “Pérola Negra” composição de Val Andrade com produção do Dia e Renato Taimes, “Bom dia”, escrita com a colaboração de Eduardo Brechó, responsável, também, pela produção e direção musical do álbum, Renato Parmi.

O álbum, que tem 10 faixas, conta com composições de grandes nomes da música brasileira, entre eles Martinho da Vila, Leandro Lehart, Nei Lopes, Val Andrade e Tássia Reis, além da parceria com o rapper Rincon Sapiência na faixa-título. As músicas são um mergulho no universo da cantora, com mensagens de alegria e força inspiradas em referências da música negra. “Dendê é o que tudo tempera na minha vida. Busquei trazer essa roupagem contemporânea para transformá-lo em um álbum completo que trata de diversos temas políticos e atuais e conversa com diversos públicos por meio do rap, do samba e do funk. Faz parte da minha missão na música propagar a minha cultura e as minhas origens. É a MPB: Música Preta Brasileira”, completa a artista.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Janine Mathias para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 30.08.2019:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Janine Mathias: Nasci no dia 24 de maio de 1985 em Brasília – DF, mas cresci e construí minha carreira na música em Curitiba, Paraná.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música. 

Janine Mathias: Sou apaixonada por música brasileira, e devo o meu estilo musical aos meus pais. Meu pai é cantor sambista e minha mãe sempre ouviu Jazz, Blues e MPB. Minha relação com o RAP veio da rua e o Samba é minha memória ancestral. Esse turbilhão de experiências sonoras me transformou e reflete diretamente em meu trabalho. Amo minhas origens e carregarei isso para sempre.

03) RM: Quais cantoras(es) você mais admira?

Janine Mathias: Elza Soares, Ellen Oleria, Tassia Reis, Iria Braga, Iza, entre ouros.

04) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Janine Mathias: Todo início é difícil, para qualquer pessoa, em qualquer profissão. Mesmo apaixonada por música, tive outras profissões, como atendente, vendedora e artesã, até criar coragem e me jogar de cabeça na carreira artística em busca do meu espaço.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Janine Mathias: Minha carreira profissional começou despretensiosamente em 2009, com um refrão de RAP que me levou a gravar o meu primeiro EP em 2012, na cidade de Curitiba – PR.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Janine Mathias: Atualmente tenho dois CDs: “Eu Quero Mergulhar” (2012) e “Dendê” (2018). O primeiro tem uma pegada mais de Hip Hop e RAP, já “Dendê” tem tudo que tempera minha vida, do RAP ao FUNK. Minhas músicas com maior destaque são: “Pérola Negra”, composição de Val Andrade com produção do Dia e Renato Taimes, e “Bom dia”, escrita com a colaboração de Eduardo Brechó.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Janine Mathias: Busco trazer uma roupagem contemporânea e que trate de diversos temas políticos e atuais, conversando com diversos públicos por meio do RAP, do Samba e do FUNK. Faz parte da minha missão na música propagar a minha cultura e as minhas origens. É a MPB: Música Preta Brasileira.

08) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora.

Janine Mathias: O cenário musical de Curitiba mudou nas últimas décadas. A variedade e o estilo musical não estão mais presos em apenas um tipo. Hoje a cidade é palco para bandas de Reggae, Folk, Rock, música alternativa e psicodélica, entre outras opções.

09) RM: Como é o seu processo de compor?

Janine Mathias: Gosto de dizer que recebo as composições de forma intuitiva, com o tempo passei a escrever por tema.

10) RM: Quais são seus principais parceiros de composição? 

Janine Mathias: Ainda não tenho uma relação de dividir composição. Na gravação do CD – “Dendê” eu tive a primeira experiência com o Eduardo Brechó e foi marcante.

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Janine Mathias: A autonomia com certeza é uma dádiva, mas não gosto desse termo “independente”, porque na verdade nos tornamos muito mais dependentes das pessoas e das parcerias. A parte maravilhosa é que normalmente ficamos associados a quem realmente acredita no nosso trabalho.

12) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Janine Mathias: Estou aprendendo muita coisa ainda e acredito que o mais importante é estar conectado com o público. Procuro ser transparente com a realização e a realidade dos meus passos profissionais.

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Janine Mathias: Os algoritmos são um desafio, mas não vejo a internet como algo prejudicial, bem pelo contrário.

14) RM: O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Janine Mathias: Ficar pensando nisso não é meu forte, eu gosto de seguir minha intuição e me associar a pessoas que vão potencializar meu trabalho.

15) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Janine Mathias: O que me deixa mais feliz são as conexões, já a disputa é uma coisa que não gosto. Acho que o capitalismo ainda vende uma cultura de ter somente uma pessoa em destaque. Nós somos muitos e acredito que todos podem alcançar um espaço.

16) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora.

Janine Mathias: O cenário musical de Curitiba mudou nas últimas décadas. A variedade e o estilo musical não estão mais presos em apenas um tipo. Hoje a cidade é palco para bandas de Reggae, Samba, Rock, RAP, entre outras opções.

17) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Janine Mathias: Viva intensamente suas criações e trabalhe diariamente por isso.

18) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro?

Janine Mathias: A cena musical sempre foi marcada por grandes compositores e músicos negros, mas essa onda de denunciar as injustiças e enaltecer nossas origens é mais recente. São tempos diferentes, de reflexão e resistência política.

19) RM: Quais os seus projetos futuros?

Janine Mathias: Quero lançar mais 3 clipes do Dendê e fazer algumas parcerias musicais. Nosso foco é fazer mais shows no segundo semestre, antes de lançar meu próximo disco que já está sendo planejado.

20) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Janine Mathias: Janine Mathias em todas as redes sociais. Para contratação: [email protected] | www.youtube.com/user/janinemathiasoficial | https://spoti.fi/2Yibq4n

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.