Guilherme Hermolin

Guilherme matriz 2
  • 8
    Shares
Avalie esta Entrevista

O compositor, arranjador, diretor musical, produtor, flautista Guilherme Hermolin é bacharel em Flauta Transversal pela UFRJ – MÚSICA. Pós-graduado em Trilha Sonora pelo Conservatório Brasileiro de Música.

Compositor de trilha sonora para vídeo, teatro, cinema, rádio, TV e criação do layout sonoro para diversos segmentos. Recebeu prêmios e indicações tanto como instrumentista, como na criação de trilha sonora. Fundou a gravadora ECHO MUSIC em 1999 especializada em musica New Age e World Music. Produziu sonora de conteúdo de áudios guias utilizada em museus e exposições: Casas Natura/SP; Museu da Inconfidência/MG; Museu da República/RJ; Museu de Arte Sacra da UFBA/BA; Museu Histórico Nacional/RJ; Museu Nacional de Belas Artes/RJ; Museu Oceanográfico/RS; Museu da TAM/SP; Morar Mais por Menos/RJ; Museu Lasar Segall/SP; Museu do Índio/RJ; Caminhos da Terra/RJ (famtour); Trem do Corcovado/RJ; Pinacoteca/SP; Museu Vale/ES; SESC Quitandinha/RJ; OEI – Exposição Para Todos; Exposição Esplendores do Vaticano/SP (temporária); Museu Histórico do Exército/RJ; Inauguração da Loja Nike/RJ; Museu do Maracanã/RJ;Museu da Família Colonial/SC; Museu Vitor Meirelles/SC; Museu das Missões/RS; Museu do Índio/RJ; Mosteiro de S. Bento/Rj.

Recebeu os Prêmios: Petrobras como melhor instrumentista; Coca – Cola para teatro como melhor trilha sonora; Indicação ao Prêmio Shell para teatro como melhor trilha sonora; Prêmio SESC e CEBTIJ como o conjunto da obra para teatro infanto-juvenil – 2003; Indicação ao Prêmio Quiquito de ouro no festival de gramado pelo filme “Soldado de Deus”.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Guilherme Hermolin  para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa  em 17.10.2017:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Guilherme Hermolin: Eu nasci no dia 25/08/1960 no Rio de Janeiro – RJ.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música?

Guilherme Hermolin: Na década de 70 existia uma rádio chamada Eldo Pop onde tocava Rock Progressivo o dia inteiro. Eles colocavam o LP de um lado e viravam o lado para continuar. Foi quando eu ouvi a banda Jetrho Tull com o flautista Ian Anderson. O seu som e as suas composições me encantaram de tal forma que disse a mim mesmo que era isso que eu queria.

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Guilherme Hermolin: Eu sou bacharel em Flauta Transversal pela UFRJ – Universidade Federal da Paraíba. E Pós-graduado pelo CBM na cadeira de trilha sonora.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Guilherme Hermolin: Sempre gostei de tudo que era bem feito e em todos os estilos. Acho que nenhuma deixou de ter importância.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Guilherme Hermolin: Em 1980 meu primeiro trabalho profissional foi como diretor música para teatro com uma peça dirigida por Claudio Gonzaga, “Jogos de Guerra“ com Patrícia Pilar no elenco.

06) RM: Quantos CDs lançados, quais os anos de lançamentos (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que entraram no gosto do seu público?

Guilherme Hermolin: Guilherme Hermolin – lançamento dos CDs autorais – N.S.L.O em 1991. CD – Cantos Naturais em 1999, CD – Orquestra Natural em 2000, CD – Aromatyc Sound, em 2001. Participações: Marianna LeporaceCD – Interiores 2014; Tony Pelosi – CD A voz a música em 2013; João CantiberCD – Pequena Aldeia em 2013 e CD – Origens em 2005; Kollereauter – LP comemorativo dos 70 anos em 1989; Arthur KampellaLP – Epopéia e graça de uma raça em desencanto em 1988; Danny ReisCD – Todo Dia em 2010, Marcos AmorimCD – O Boto em 1995, Acervo FunarteCD – Compositores Brasileiros em 2011; Felipe RadicettiCD – Sagrado e Profano em 2013 e CD – América em 2015; Quito PedrosaCD Pan-americanas em 1997; Zé Al – CD Zarpar em 1996; e vários outros. Em 1999 fundei a Gravadora Echo Music dedicada a músicas para meditação.

07) RM: Como você se define como Flautista?

Guilherme Hermolin: Eclético, gosto de tudo e toco de tudo. Quando você lida com música para imagem o seu universo musical se expande.

08) RM: Você toca todos os tipos de Flautas?

Guilherme Hermolin: Sim.

09) RM: Quais as principais técnicas o Flautista tem que conhecer para está pronto para tocar em qualquer estilo musical?

Guilherme Hermolin: Sonoridade e articulação.

10) RM: Quais os Flautista que você admira?

Guilherme Hermolin: Ian Anderson, James Galway, Patápio Silva, Dave Valentin, Antonio Carrasqueira e Lenir Siqueira (meu professor)

11) RM: Você compõe canções e música instrumental? Como é seu processo de compor?

Guilherme Hermolin: Sim os dois formatos: canção e instrumental. Às vezes vem apenas a melodia e em outra vem parte do arranjo, mas isso depende de para quem estou compondo.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Guilherme Hermolin: Guilherme e Hermolin (risos).

13) RM: Fale sobre as trilhas sonoras que já compôs para Cinema, Teatro, etc? 

Guilherme Hermolin: Para Trilha sonora, Vídeos, filmes de curtas e longas metragem:

Guilherme Hermolin: Trilha sonora para vários vídeos institucionais: MacDonald, Shell, Petrobrás, etc. Vídeos documentários: Viva Baía, sobre a poluição na baia de Guanabara – dir. Zeca Zimmerman, Alto do Moura, sobre a vida do Mestre Vitalino – dir. Sérgio Sans, etc.

Longa metragem: Soldado de Deus, sobre o integralismo no Brasil – Sergio Sans

Curta: Emoções tropicais – dir. Barreto Jr.

Programa de TV: Ed Morte – TV Globo, Musica Brasil – TV-E

Para teatro: Produziu trilha sonora para mais de 40 peças teatrais.

– Com o Rio na Barriga – Direção de Ernesto Piccolo.

– DNA Brasil – Direção de Ernesto Piccolo. Indicação para o Prêmio Sharp de melhor trilha.

– Passado a Limpo – Direção de Ernesto Piccolo.

– O Futuro era Hoje – Direção de Ernesto Piccolo

– Contador de Histórias (Soldadinho de Chumbo) – com Ricardo Blat e Direção de Gilberto Gawronski.

– Contador de Histórias ( Patinho Feio) – Monólogo com Ricardo Blat e Direção de Gilberto Gawronski. Indicação ao prêmio Coca-Cola de melhor trilha em 1995.

– Contador de Histórias ( A Roupa Nova do Rei ) – com Ricardo Blat e Direção de Gilberto Gawronski.

– Baía de Guanabara – Direção de Lúcia Coelho.

– Cegonha?Que Cegonha? – Direção de Cláudio Ganzaga.

Rádio: Produziu todo o layout sonoro da Rádio Portuguesa 735 FM e da Rádio Viva Rio AM.

Produziu todo o layout sonoro da  rádio Viva Rio AM   onde criou e produziu o programa de entrevistas “Sua Identidade Sonora“ de  2002 à 2004.

Produção, musical e sonora do conteúdo dos Áudio Guia, utilizados em museus e galerias de arte:

-Museu Histórico Nacional no RJ.

-Museu da Inconfidência em MG.

-Museu da República no RJ.

-Museu de Belas Artes no RJ.

-Museu  Oceanográfico no RS.

-Museu da Tam em SP.

-Museu de Arte Sacra da BH.

-Exposição de decoração – Morar Mais por Menos no RJ.

-Casa Natura em SP.

-Museu LasarSegall SP

-Museu do Índio RJ

-Caminhos da Terra fam tour RJ

-Museu do Exército RJ

-Pinacoteca de SP

-SESC Quitandinha RJ

-Museu do Corcovado RJ

-Museu Colonial SC

-Museu da Liberdade SP

-Museu das 7 Missões RS

-Centro Cultural Moreira Salles RJ

-Museu do Maracanã RJ

-Mosteiro de São Bento

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Guilherme Hermolin: Prós é que você tem mais liberdade, mas os contras é que você depende de tudo.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira musical dentro e fora do palco?

Guilherme Hermolin: Ministrar aulas de música em Universidades e fazer show da minha nova safra de composições.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Guilherme Hermolin: Divulgação na internet. Promover o meu site comercial www.criandosomemusica.com.br

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Guilherme Hermolin: Ajuda na projeção do trabalho, mas ao mesmo tempo se dilui no mar de informações e concorrência.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (home estúdio)?

Guilherme Hermolin: Só tem vantagens, a qualidade melhorou e ficou mais fácil realizar as produções.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar o disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Guilherme Hermolin: Tento ser autêntico nas produções e não me submeto ou tento imitar alguém.

20) RM: Fale da sua experiência como produtor musical e técnico de gravação. Quais projetos que você já realizou nessa função? 

Guilherme Hermolin: Como produtor eu trabalhei em alguns CDs e como técnico eu trabalhei nos meus estúdios: Haga producões, Viva produções e Echo Music.

21) RM: Como você analisa o cenário da música instrumental brasileira. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Guilherme Hermolin: A música instrumental no Brasil, infelizmente, entrou em declínio no início de 2000. Eu destaco Hermeto Pachoal, Egberto Gismonte, Guilherme Hermolin, João Cantiber. Regrediram alguns músicos que se fixaram em um estilo que já foi.

22) RM: Você já tocou em Orquestras Sinfônicas?

Guilherme Hermolin: Não, só em orquestras populares, banda Brasil – Maestro Vicente Ribeiro e Orquestra de Oficina – Maestro Ian Gest.

23) RM: Quais os prós e contras de ser músico de uma Orquestra?

Guilherme Hermolin: Não vejo contras. É bom ser músico de orquestra. Dá-te uma grande experiência de tocar em grupo.

24) RM: A Orquestra Sinfônica Brasileira passou por uma crise quando o maestro Roberto Minczuk informou que na sua gestão os músicos passariam por avaliação contínuo do seu instrumento. Você acompanhou essa crise? Qual a sua opinião sobre a avaliação contínua dos músicos de orquestra?

Guilherme Hermolin: Acho válida a postura do maestro para manter o padrão de qualidade alto.

25) RM: Qual a sua opinião sobre o músico de Orquestra que tem outros trabalhos musicais paralelos que atrapalham o seu desempenho na Orquestra?

Guilherme Hermolin: Não vejo mal em ter outros trabalhos, desde que não atrapalhe sua função principal.

26-) RM – Quais os instrumentos musicais que você toca além da Flauta?

Guilherme Hermolin: Violão, Sax, Telado, Voz.

27) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Guilherme Hermolin: Feliz em Ter um feedback positivo do público. Triste em vê o descaso do Brasil em relação a cultura.

28) RM: Quais os prós e contras de trabalhar como músico no exterior? Quais os países que você já morou?

Guilherme Hermolin: Prós é a possibilidade da troca de conhecimento e contra é o musica brasileiro ser visto como menor em alguns países. Eu viajei a trabalho algumas vezes, mas nunca morei.

 

29) RM: Quais os prós e contras de ser professor?

Guilherme Hermolin: Ser professor, só tem prós. Passar os seus conhecimentos e vê despertar ali um possível talento, isso não tem preço.

31) RM: Quais os vícios técnicos o Flautista deve evitar?

Guilherme Hermolin: Má postura e má respiração.

32) RM: Quais os erros no ensino de Flauta deve ser evitado?

Guilherme Hermolin: Não começar pelas notas longas e em especial, só usando a cabeça da flauta.

33) RM: Nos apresente os métodos e vídeo aula que você já lançou?

Guilherme Hermolin: Os meus métodos sempre ficaram restritos ao meu ensino. Ainda não lancei para venda.

34) RM: Tocar muitas notas por compasso ajuda ou prejudica a musicalidade do Flautista?

Guilherme Hermolin: Nem um e nem outro, vai depender do que a composição exigir.

35) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Guilherme Hermolin: Tenha paciência e seja obstinado, nunca desista.

36) RM: Quais os seus projetos futuros?

Guilherme Hermolin: Voltar aos palcos com um novo show e alimentar o meu site: www.criandosomemusica.com.br

37) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Guilherme Hermolin: www.criandosomemusica.com.br | https://www.youtube.com/user/guilhahermo | https://www.facebook.com/guilherme.hermolin.9 | [email protected] | (21) 9.8870 – 1842.

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.