Glorya Ryos

glorya2
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

 

A cantora e compositora piauiense Glorya Ryos começou a sua carreira musical na década de 80 estreando com sucesso e entrando para galeria do Forró.

Usando a bela voz, bons forrós e sensualidade conquistou o seu espaço e respeito no meio musical. Com nove discos gravados e coroada Rainha do Forró em Campina Grande – PB no final da década de 80 manteve a sua popularidade na década de 90. Atua também como radialista na Rádio Atual desde 1993 com um Programa Mulher Atual nas manhãs de Domingo.

Seu atual CD – “Do Povão a Classe A”  mostra que o Forró saiu da descriminação das décadas passada para aceitação de todos. Hoje com uma vida artística menos intensa, pois trabalha como funcionária pública. É forma em Direito e administra a sua carreira com mais tranqüilidade sem ansiedade do sucesso, pois viveu intensamente essa fase no início. Nesse disco atual divide pareceria com a cantora e compositora pernambucana Maria Dapaz. Um disco para se ouvir sem preconceito de som e social.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Glorya Ryos para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.11.2001:

01) Ritmo Melodia: Fale do seu primeiro contato com a música. A sua origem?

Glorya Ryos: Nasci no dia 30 de maio em Teresinha – PI. Comecei cantando no quintal de casa, músicas românticas. Quando eu tinha 9 anos de idade, uma vizinha disse que me levaria para uma Rádio, não o fez, aos 13 anos escrevi um bilhete para a Rádio Difusora da cidade, dizendo que queria ser convidada especial. Aí comecei a cantar, meu inicio foi com música “Assobia meu Amor”,  gravada por Ângela Maria.

02) RM: Fale do seu inicio na carreira musical.

Glorya Ryos: Nunca fui cantora da noite, o que lamento muito, tinha certeza de que só começaria depois de gravar um disco, vim para São Paulo em 1968 e depois de 13 anos tentando gravar, depois de chorar muito por não concordar com os métodos com que tratavam as cantoras, resolvi estudar para esquecer a música, fiz técnico de secretariado, depois passei no vestibular para Direito e me formei. Não aguentei, fiz 30 fitas e mandei para todas as pessoas que imaginava fossem envolvidas com a música. Uma destas fitas chegou às mãos de Moacyr Machado que ligou –me dizendo ter gostado de minha voz, não acreditei, mas, em 1981 ele me contratou pela Continental. Aí gravei meu primeiro LP, com várias músicas regravadas, grandes clássicos da nossa MPB, como “Jura do Sinhô”.

03) RM: Quais a suas influencias musicais?

Glorya Ryos: Ângela Maria, Carlos Alberto, Dalva de Andrade, Fere Ribeiro, Nelson Gonçalves, Marines, Ary Lobo (forró). Hoje gosto muito de: Emílio Santiago, Gal Costa, Zizi Possi, Célia, Rosa Maria, Elis Regina, Leila Pinheiro.

04) RM: Quantos discos gravados? 

Glorya Ryos: Gravei 9 discos. O primeiro em 1981, com maxixe e chorinho, muito elogiado pela crítica  especializada. Mas, cantando  pelo Brasil a fora, o povo pedia para eu cantar músicas  de Luiz Gonzaga e Elba Ramalho, aí parei e fiz um balanço. Daí pra frente gravei forró. Descobri a minha nordestinidade em São Paulo:

Em 1981 o LP – Glorya Ryos, pela Continental, com maxixe e chorinho. Em 1985 o LP –  Mix (Coletânea) com duas músicas e uma delas “Isso Aqui Ta Bom Demais” (Nando Cordel e Dominguinhos)”. Em 1986 o LP – “Me Leva com Você”,  música de Savinho que deu titulo ao CD e um destaque para o Chorinho “Vou Vivendo” do Pixinguinha com letra inédita de Tuzé Abreu. Em 1988 o LP – “Rainha do Forró”. Em 1991 o LP –  “Doçura” com músicas de Nando Cordel, Anastácia,  Durval Souto, Téo Azevedo, Alcymar Monteiro. Em 1992 participei em um LP da Rádio Atual – “Danado de Bom”, que teve os cantores: Anastácia, César do Acordeon, Pimentinha do Forró, Edmilson Santos.  Em 1994 o “Glorya de Todos os Cantos”, um dos melhores discos, mais acústico. Em 1995 o CD “Forró Apimentado” uma coletânea de dois discos anteriores, colocando belas gravações de clássicos da nossa música nordestina “Mulher Rendeira” e “Farinhada”.  Em 2001 o CD – “DO POVÃO A CLASSE”, com forró de alta qualidade. Digo neste trabalho que o forró não tem fronteiras, não tem dono e é para todos.

05) RM: Que ano você chegou em São Paulo? E por qual motivo?

Glorya Ryos: Em 1968 vim em busca da sobrevivência em São Paulo. O nordeste é muito bom, mas, não tinha emprego. E eu vim para cantar.

06) RM: Fale dos primeiros sucessos.

Glorya Ryos: Em 1988  fui eleita “Rainha do Forró” em Campina Grande – PB, foi quando Luiz Gonzaga me desejou sucesso. Aí senti o que era ser sucesso. Pelo menos pelo um pequeno espaço de tempo, a Rádio FM Campina, tocou minha música “Me Leva com Você” umas 15 vezes por dia e fui recebida no aeroporto da cidade por uma quadrinha, desfilei em carro aberto com Luiz Caldas, à noite fiz um grande show na casa de show Forrock, recebi faixa, coroa e tratamento de rainha. Foi um momento muito especial em minha carreira.

07) RM: O que lhe chateia no meio musical?

Glorya Ryos: Já me chateie muito, hoje nem tanto, mas, a falta de espaço para mostrar o trabalho deixa me deixa muito angustiada.  Mas, aprendi que nem todos nascem para ser o primeiro, se assim fosse, não teria espaço para os líderes, todos têm seu espaço e o que se tem a fazer é aproveita-lo da melhor maneira possível, com muita sabedoria e dignidade.

08) RM: Como você vê o mercado fonográfico de hoje? Melhor ou pior?

Glorya Ryos: Não vejo nada, não tem novidade, não tem música boa, só aparecem na televisão os mesmos. Chega a ficar enjoativo. Com tantos talentos por aí, só meia dúzia desfrutam dos espaços na grande mídia em geral.

09) RM: Como começou a sua atuação profissional na Rádio Atual?

Glorya Ryos: Fui chamada para fazer um show no CTN – Centro de Tradições Nordestinas – Rádio Atual em 1991  e conversando com o Diretor da Mauricio de Oliveira (mineiro falecido em 1994) que já estava careca e eu com cabelos crespos e louros, não nos reconhecemos, só perto da imagem do Frei Damião foi que nos reconhecemos como ex-namorados em 1968 quando adolescentes. Desde deste momento não nos largamos mais, começamos a trabalhar juntos na Rádio Atual, e depois ele me deu um horário que faço até hoje, há 11 anos. Espaço este que só tenho aprendido, pois tanto as entrevistas, os apelos para os carentes, tudo só acrescentam os meus conhecimentos.

10) RM: Quais os prós e contras na sua carreira musical?

Glorya Ryos: Para quem não é filho de artista bem sucedido e nem tem dinheiro para investir, só contras se apresenta na frente de quem está começando. Mas, a gente já tem o NÃO, a gente tem que ir atrás do SIM. No início não gravava pôr ter sotaque nordestino, em 1981 quando gravei, alguém disse – ainda bem que você tem sotaque.

 11) RM: Fale do novo lançamento e projetos futuros?

Glorya Ryos: Pretendo lançar meu 10 °disco. Não tenho muitos projetos, minha vida é um grande projeto que trabalho todos os dias, pois ganhei de graça uma vida e pretendo prestar contas ao Deus Superior a respeito de minha  trajetória por aqui. E quem está pretendendo procurar o seu sonho, não desista, é muito importante que sua história seja rica de lutas, tentativas para que você possa se orgulhar de si.

Contatos: [email protected] | http://gloryaryoscantora.blogspot.com.br/ 


  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
    1
    Share
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.