Costa Senna

costa senna
Costa Senna
Avalie esta Entrevista



O cantor, compositor, ator e poeta cearense Costa Senna, radicado desde 1990 em São Paulo. Aborda em suas criações temas socioculturais, ecológicos e multidisciplinares. Eclético mostra em suas performances toda versatilidade do artista popular que traz na alma a habilidade, a linguagem de fazer o povo rir e pensar.

Iniciou sua vida artística nos anos 80, tendo saboreado na infância e parte da adolescência, a genialidade dos repentistas, contadores de histórias, sanfoneiros e cordelistas. No teatro atuou em várias peças. No cinema atuou no filme curta metragem “As aventuras de Raul Seixas na cidade de Thoth”, de Jairo Ferreira. Recentemente foi um dos personagens centrais do vídeo documentário sobre Paulo Freire, “Educar para transformar” e também participou do documentário em longa-metragem “Nísia, Paulo e Josué – oficina de memória”, ambos da cineasta Tânia Quaresma.

É autor de vários folhetos da literatura de cordel, entre eles: Nas asas da leitura, Como nasce os provérbios, A arapuca feminista, Cante lá e cante cá, Criança que bicho é este? , Raul Seixas entre Deus e o Diabo, Paulo Freire (com trechos traduzidos em vários idiomas); é autor dos livros: O Raulseixismo, Cartas no cordel, O Rabo da Raposa, Viagem ao Centro da Terra (em cordel), O Doido, Meu milhão de amigos, É outra história, O Lobisomem da Avenida São João, Caminhos Diversos- sob os signos do cordel e Cordéis que Educam e Transformam.

Seu crescimento artístico é progressivo, sua arte se multiplica e se entrelaça compondo um todo. Representando, tocando, cantando, em trabalho solo ou acompanhado por seu grupo, o UnirVersos.

Já se apresentou para milhares de pessoas em São Paulo, Fortaleza – CE, Porto Alegre – RS, Palmas – TO e diversas outras cidades brasileiras. Desenvolve um trabalho dentro das escolas públicas e particulares, universidades, bibliotecas, centros culturais e entidades sociais com o espetáculo multidisciplinar “Cordéis que Educam e Transformam”.

Em reconhecimento ao seu trabalho artístico em São Paulo, em 16 de maio de 2008 foi consagrado com o título de Cidadão Paulistano, conferido pelo vereador Beto Custódio, na Câmara Municipal de São Paulo.

Costa Senna teve seu cordel “Viagem por São Paulo”, que homenageia em versos todas as regiões e bairros da Grande São Paulo, no livro “São Paulo Minha Cidade.com” e também no CD: “São Paulo, esquina do mundo”, sob a batuta do incansável jornalista Assis Ângelo e da produtora sociocultural Andréa Lago.

“Trata-se de um Show-Man-Popular com toda carga que esta expressão traz embutida”, diz o escritor e pesquisador Gilmar de Carvalho:

Segue abaixo entrevista exclusiva com Costa Senna para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa  em 16 de fevereiro de 2014:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Costa Senna: Nasci no dia 30 de novembro de 1955 em Fortaleza – CE.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Costa Senna: Tenho na lembrança: Forró Pé de Serra, os Repentistas, as novenas e mais algumas coisas desse segmento.

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica (Teórica)?

Costa Senna: Eu nem sei se tenho uma formação musical, se tenho acredito que ainda não existe uma classificação para ela por ser muito simples, natural.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Costa Senna: Raul Seixas, Raimundo Fagner, Belchior, Zé Ramalho, Luiz Gonzaga e mais alguns. E para mim ninguém deixou de ter importância.

05) RM: Quando, como e onde  você começou a sua carreira profissional?

Costa Senna: Em agosto de 2013 tive informação que no ano de 1979 eu me apresentei no colégio Harminda de Araújo em Fortaleza – CE onde declamei várias poesias principalmente de outros autores. Eu não tenho plena certeza; mas acredito que comecei a fazer teatro visando o profissional a partir desse momento. E também iniciei a minha caminhada dentro de escolas públicas e particulares em Fortaleza-CE. A minha presença nas manifestações culturais no começo dos anos 80 passam a ser marcante.

06) RM: Quantos CDs lançados, quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que entraram no gosto do seu público?

Costa Senna: Primeiro CD – “Moço das Estrelas” em maio de 2001 Gravação, mixagem e masterização: Estúdio Música Bacana por Ricardo Vignini e André Ferraz. Músicos: Ricardo Vignini, Tiago Stocco, Mingo Jacob, Beto Vilheta, Mauricio Bitencurt, Marcelo Berzotti, Ivo Junior, Sandro Pereira, Marcos Silva, Paulo Thomaz, André Ferraz, Bianca Aguiar, Samanta de Souza, Letícia Yasmin, Maria Augusta, Elisangela Santos, Dora Martins, Marli Soares, Cidinha da Paz, Ademildes Figueiredo, Janete Stocco, Roberval Freire, Salvador de Caculé, Elmer Stocco, Josué Campos, Brene Roque.

Depois lancei: CD – “Costa Senna em Cena”; CD – “Fábrica de Unir Versos”; CD – “Cante Este Refrão Por Aí” e CD – “A Palavra Despida”.

07) RM: Como é o seu processo de compor?

Costa Senna: Todas as músicas que foram iniciadas por mim, elas pousam em minha cabeça. E me fazem ficar cantarolando às vezes dias, semanas, meses. Só sento para fazê-la quando a melodia e parte da letra estão bem elaboradas em minha mente.

08) RM: Quais são seus principais parceiros musicais?

Costa Senna: Cacá Lopes, Luiz Wilson, Tiago Stocco,  Germano Junior, Darlan Moreira,  Paulo Thomas,  Rhayfer, Hamilton  Catete,  Oliveira de Panelas, Roberval Freire, Jorge Mello, Jaime Fran, Kiko Fernandes, Disma Macedo, Arthur Rimbaud, Meramolim, Pedro Bandeira, Carlos Mahlungo, Marco Haurélio, Jane Oliveira, Ednaldo Nascimento, Josué Campos, Sylvio Passos, José de Aquino e Radi Oliveira.

09) RM: Você estudou técnica vocal?

Costa Senna: Não.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Costa Senna: Rita Lee, Ana Carolina, Marisa Monte.

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Costa Senna: Eu gosto muito, muito mesmo de está na minha, ser independente me deixa viver do jeito que gosto. Os contras não me atrapalham porque eu quis e quero seguir assim.

12) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Costa Senna: Em cima do palco é tentar fazer uma apresentação que deixe a plateia feliz. E fora do palco é criar bons trabalhos, é fazer contatos, é correr a procura de palcos.

13) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Costa Senna: Além dos caminhos das redes sociais, eu tenho um pequeno grupo de pessoas que me ajuda a divulgar toda minha obra ou as atividades culturais.

14) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Costa Senna: Até o presente momento ela só tem me ajudado.

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do fácil à tecnologia  de gravação (home Studio)?

Costa Senna: Não existe desvantagem, principalmente para os artistas independentes.

16) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje grande não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para ser diferenciar dentro do seu nicho musical?

Costa Senna: Trabalhar, trabalhar durante todo dia e quando chegar à noite antes de deitar para dormir trabalhar mais algumas horas.

17) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Costa Senna: Quem permaneceu foram: Raul Seixas, Luiz Gonzaga, Cazuza e Renato Russo.

18) RM: Qual ou quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Costa Senna: Zeca Baleiro, Lenine, Ana Carolina.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Costa Senna: Falta de condição técnica para realizar o show.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Costa Senna: Mais feliz é saber que construí uma obra. E triste é não ver a minha obra ser reconhecida por uma grande maioria.

21) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Costa Senna: A cena musical em São Paulo está nos SESCs, Centros Culturais, CEUS, Casas de Culturas, Fábricas de Culturas, Saraus Poéticos, Virada Cultural e projetos que surgem de última hora.

22) RM: Você acredita que sem pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Costa Senna: Jabá quase não existe mais. Minhas músicas podem até tocarem, mas seria duas, três vezes por mês e olhe lá.

23) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Costa Senna: Estudar muito, buscar conhecer e saber fazer tudo que se refere à carreira musical.

24) RM: Quais os poetas ou as poetas de Cordel que você admira?

Costa Senna: Varneci Nascimento, Cleusa Santo, Rouxinol do Rinaré e outros.

25) RM: Quais os poetas de Cordel que influenciou diretamente a sua obra?

Costa Senna: Nenhum.

26) RM: Quantos livros de Cordel você lançou? Quais os nomes e anos de lançamentos?

Costa Senna: Aqui cito os livros e não os folhetos de cordel.

O Raulseixismo: Editora Nova Sampa em 1994.

Cartas no Cordel: Gráfica Rubi em 1995 (independente)

O Doido: Editora Paulinas em 1996.

Meu Milhão de Amigos: Gráfica Paraiso em 1998. (independente)

Caminhos Diversos Sob os Signos do Cordel: Global Editora em 2008.

Viagem ao Centro da Terra: Editora Nova Alexandria em 2009 (adaptação)

Cordéis que Educam e Transformam: Global Editora em 2012.

27) RM: Como a poesia de Cordel contribui para a sua obra musical?

Costa Senna: Ela contribui no palco, nas composições de músicas, no contar histórias, Na renda, no currículo.

28) RM: A obra dos músicos que ficaram conhecidos como O Pessoal do Ceará (Fagner, Belchior, Ednardo e Jorge Mello) exerceram alguma influência direta na sua obra musical?

Costa Senna: Direta não.

29) RM: Fale da sua participação como escritor no livro Trem das Sete sobre Raul Seixas.

Costa Senna: Foi um momento mágico e de muito progresso. As nossas reuniões eram na casa da Luciene Alves e geralmente as conversas se esticava porque o encontro era muito agradável.

30) RM: Fale do seu trabalho como ator.

Costa Senna: Trabalhei no teatro de teatro de 1980 a 1989 foi prazeroso. E aprendi muito com os meus diretores, diretoras, atores e atrizes. Essa pessoas me deixaram preparado para enfrentar os mais diferentes públicos e fazer com que a apresentação seja bem sucedida.

31) RM: Quais os seus projetos futuros?

Costa Senna: Se apresentar em feiras de livros, Bienais, SESCs SESIs, CEUs, Centros Culturais, Casas de Culturas. E trazer melhoras para o Sarau Bodega do Brasil. E zelar da saúde, das amizades. E escrever inúmeros folhetos de literatura de cordel. E lançar um novo livro e um novo CD no final de 2015.

32) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Costa Senna – [email protected] | (11) 2552-2443 | 98419 – 7667 | 99448 – 2049 |  WWW.poetacostasenna.blogspot.com | www.facebook.com/costa.senna

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.