Bruna Caram

Bruna Caram
  • 12
    Shares
Bruna Caram
Avalie esta Entrevista

A cantora e compositora paulista Bruna Caram tem uma família musical. Sua avó materna, Maria Piedade, era cantora de rádio nos anos 50. Seu avô paterno, Jamil Caram foi guitarrista. É sobrinha do cantor e compositor Juca Novaes e das cantoras, Ana Caram e Lucila Novaes.

Ela cresceu rodeada de cantores, compositores e instrumentistas de todos os tipos. Ela estudou piano desde os sete anos de idade. Aos nove anos fez parte do grupo Trovadores Mirins e em seguida do grupo Trovadores Urbanos (Eduardo Santhana – Cantor e compositor; Juca Novaes – Cantor e compositor; Maida Novaes – Cantora e pianista; Valéria Caram – Cantora e pianista).

Em dezembro de 2006 lançou seu primeiro álbum – “Essa Menina”. O disco é uma mistura de baladas, blues, pop e bossa nova. As músicas foram compostas por Otávio Toledo e seus parceiros musicais, José Carlos Costa Netto e Juca Novaes e produzidas por Alexandre Fontanetti. Em 2009 lançou seu segundo álbum – “Feriado Pessoal”, também produzido por Alexandre Fontanetti. A faixa título foi escrita por Bruna. Outras canções foram escritas por Lô Borges (Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor), Guilherme Arantes (Cuide-se Bem) e Caetano Veloso (Gatas Extraordinárias). Em 2010, graduou-se em Música pela Universidade Estadual Paulista – UNESP. Em 01 de julho 2012, lançou seu terceiro álbum – “Será Bem-Vindo Qualquer Sorriso”. 

Segue abaixo entrevista exclusiva com Bruna Caram para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 16.07.2015:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Bruna Caram: Nasci no dia 26 de julho de 1986 em Avaré-SP.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Bruna Caram: Antes de nascer já devia ouvir meus tios (Juca Novaes, Lucila Novaes) e pais cantando. Minhas duas famílias são “enlouquecidamente” musicais. Cresci rodeada de cantores, compositores e instrumentistas de todos os tipos. A minha avó materna, Maria Piedade, era cantora de rádio nos anos 50. Meu avô paterno, Jamil Caram foi guitarrista.

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica (Teórica)?

Bruna Caram: Formei-me em 2010 em Música pela Universidade Estadual Paulista – UNESP. E estudo Piano desde os sete anos de idade.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Bruna Caram: Os cantores-intérpretes em geral. Os teatrais, os dramáticos. Maria Bethânia, Elis Regina, Ney Matogrosso, Elba Ramalho. De fora, Liza Minelli e Edith Piaf são minhas divas rainhas.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Bruna Caram: Aos nove anos de idade cantando nos Trovadores Mirins, grupo de serenatas que até hoje existe em São Paulo, associado ao grupo Trovadores Urbanos (Eduardo Santhana – Cantor e compositor; Juca Novaes – Cantor e compositor; Maida Novaes – Cantora e pianista; Valéria Caram – Cantora e pianista). Trabalhei com eles até os 18 anos de idade.

06) RM: Quantos CDs lançados, quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que entraram no gosto do seu público?

Bruna Caram: Em 2015 vem mais um. Em 01 de julho 2012, eu lancei o terceiro CD – “Será Bem-Vindo Qualquer Sorriso”. Em 2009 o CD – “Feriado Pessoal”.  Produzido por Alexandre Fontanetti. A faixa título foi escrita por mim. Outras canções foram escritas por Lô Borges (Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor), Guilherme Arantes (Cuide-se Bem) e Caetano Veloso (Gatas Extraordinárias). Em 2006 o CD – Essa Menina (baladas, blues, pop e bossa nova). As músicas foram compostas por Otávio Toledo e meus parceiros musicais, José Carlos Costa Netto e Juca Novaes e produzidas por Alexandre Fontanetti. Não traço perfis. Não canto gêneros musicais, canto histórias. Faço questão de ter liberdade de transitar entre influências diferentes sem ter que me justificar. Sempre tocamos muito nas rádios, felizmente, algumas das nossas canções mais conhecidas são: “Palavras do Coração”, “Fim de Tarde”, “Caminho Pro Interior”, “Flor do Medo”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Bruna Caram: Não defino, graças a Deus!

08) RM: Você compõe? Como é seu processo de compor?

Bruna Caram – Sou mais letrista, mas de vez em quando componho melodias também. Sempre fui de escrever e é bem natural para mim, não tem hora nem lugar, inclusive tenho que andar com caderninho na bolsa para inspirações súbitas. Em janeiro de 2015 lancei meu primeiro livro (uma alegria!), chamado Pequena Poesia Passional.

09) RM: Quais são seus principais parceiros musicais?

Bruna Caram: Paulo Novaes, Pedro Luis, Lucas Caram, Roberta Sá… Vamos aumentando!(risos).

10) RM: Quem são os compositores que você já gravou as músicas?

Bruna Caram: Lô Borges, Caetano Veloso, Guilherme Arantes, Jorge Ben Jor, Djavan, Herivelto Martins

11) RM: Você estudou técnica vocal?

Bruna Caram: Desde os 14 anos estudo e estudarei pelo resto da vida.

12) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Bruna Caram: Maria Bethânia, Elis Regina, Ney Matogrosso, Elba Ramalho. De fora, Liza Minelli e Edith Piaf.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Bruna Caram: Acredito que hoje, a não ser que se tenha um contrato milionário de sucesso relâmpago, as dificuldades sejam parecidas para artistas com ou sem gravadora. Batalhar é necessário e é preciso dedicação diária, jogo de cintura, criatividade. Hoje sou artista independente, mas posso mudar de condição se receber uma proposta bacana. O que não muda é meu envolvimento total nos assuntos e decisões da minha carreira, e minha alegria por cantar e escolher meu repertório.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira musical dentro e fora do palco?

Bruna Caram: Difícil responder. Esse trabalho é feito a cada dia, conversado com meus empresários, experimentado com a equipe…

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver sua carreira musical?

Bruna Caram: Criar novos projetos, shows, parcerias, ideias, movimentar junto com a equipe as redes sociais.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Bruna Caram: Acho que, se bem usada, a internet é uma ferramenta maravilhosa. Cabe ao artista revelar e divulgar o que realmente for bacana e aproveitar o contato direto com os fãs.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (home estúdio)?

Bruna Caram: Não uso muito, mas adoro o Garage Band, por exemplo, pra fazer arranjos e ideias de guias antes de ir pro estúdio de verdade.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente uma carreira musical. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo, mas, a concorrência se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Bruna Caram: O que sempre foi um diferencial no meu trabalho foi a multiarte, ou seja, a ligação entre minha música e minha referência teatral, de dança, de literatura. Mas isso não é algo forjado para funcionar como diferencial, é a essência do que faço.

19) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Bruna Caram: Não cito nomes negativamente, nem me cabe fazer isso. Mas aplaudo amigos que são grandes artistas dessa geração e adoro, como Roberta Sá e Mallu Magalhaes.

20) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Bruna Caram: Ney Matogrosso, Elba Ramalho, Maria Bethânia.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Bruna Caram: Não estou me lembrando de gafes, mas certamente aconteceu alguma! (risos).

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Bruna Caram: Tudo me deixa feliz. Quando há dificuldade tomo mais fôlego. Só posso ser artista.

23) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Bruna Caram: Moro em São Paulo e a cena é riquíssima!

24) RM: Quais os músicos, bandas da cidade que você mora, que  você indica como uma boa opção?

Bruna Caram: Marcelo Jeneci, Mariana Aydar, Marina de la Riva, Zeca Baleiro, Filipe Catto, Criollo, “Pitanga em Pé de Amora”, “5 a Seco”, Paulo Novaes, muita gente querida e bacana faz música na minha cidade.

25) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Bruna Caram: Treine até melhorar. E sempre pode melhorar.

26) RM: Nos apresente a sua família de músicos (Tios, Tias, Pais, avós e primos).

Bruna Caram: Precisaria escrever um livro! Minha avó foi cantora de rádio e meu avô violonista de choro. Dos lados materno e paterno da minha família há muitos músicos. Juca Novaes, Maída Novaes (Trovadores Urbanos), Lucila Novaes e Ana Caram são meus tios. E o primo Paulo Novaes e a minha mãe Valéria Caram. Todos na profissão musical.

27) RM: Quais os seus projetos futuros?

Bruna Caram: Lancei meu livro de poesia em janeiro, com uma turnê especial de poesia e música. Lancei o novo single (A Canção de Agora) nesse primeiro semestre. Entrar em estúdio para gravar o quarto disco. E seguir estudando ballet e teatro e trazer ainda mais essas artes para meu trabalho.

28) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Bruna Caram: (11) 3064 – 7105 – Perfexx! E www.brunacaram.com.br  e WWW.facebook.com.br/brunacaram

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.