Beto Cunha

Beto Cunha 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O cantor, compositor e escritor pernambucano Beto Cunha começou a sua atividade musical nos Festivais de Música nos anos 70 e 80.

Destaque para o fato histórico de se apresentar no Festival CEUB – Centro Universitário de Brasília em 1973, no qual Oswaldo Montenegro também se apresentou no início da carreira musical aos 17 anos de idade. Beto Cunha cantou em algumas bandas de Baile em Brasília e no Rio de Janeiro.Alguns produtores quiserem comprar a autoria de algumas músicas dele, mas não as vendeu. Ele deixa qualquer cantor gravar suas músicas desde que o seu nome esteja nos créditos. Ele gravou dois CD – “Raízes humanas” e o CD – “Presságio”. Este último está em 120 plataformas digitais, como spotify, deezer etc. É um Analista de Sistema aposentado que atualmente canta em alguns Bares no Rio de Janeiro. Tem uma música “A velhera já chegou” com mais de 1 milhão visualizações.  Beto Cunha tem poema premiado em concurso de poesias e lançou dois livros: “Tacaímbó” e “Bom conselho”.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Beto Cunha para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 13.05.2019:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Beto Cunha: Nasci no dia 08.07.1948 em Bom Conselho – Pernambuco.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Beto Cunha: Ganhei de minha mãe um Violão quando eu tinha 12 anos de idade e estudei com professor particular tirando repertório lendo os acordes por cifras.

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Beto Cunha: sou Analista de Sistemas, aposentado. Estudei Violão Popular.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Beto Cunha: Gosto de todos os cantores e bandas dos anos 1970 e 1980.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Beto Cunha: Comecei com pequenas bandas e Festivais de Música pelo Brasil nos anos 70 e 80.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Beto Cunha: Lancei  em 1998 o CD – “Raízes humanas” e em 2011 o CD – “Presságio”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Beto Cunha: Sou eclético.

08) RM: Como é o seu processo de compor?

Beto Cunha: Atualmente componho sozinho. Tinha um parceiro há uns anos atrás Marco Aurélio, mas fomos morar longe um do outro e ficou mais difícil de compormos juntos. É um irmão muito amado que a vida me deu.

09) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Beto Cunha: É só pesquisar artista Beto Cunha no facebook, youtube, instagram  e  plataformas digitais como spotify, deezer  e baixar o meu CD – “Presságio”.

10) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (home estúdio)?

Beto Cunha: Vantagens é que existem bons estúdios e bons músicos e as desvantagens, é que aumentou a concorrência e tem pouco espaço para divulgar e faltam empresários para investir nos artistas.

11) RM : Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Beto Cunha: Sertanejos, RAP, FUNK tomaram conta do mercado musical e ficou em segundo plano a música de qualidades com letra bem elaborada.

12) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Beto Cunha: Não é só o jabá, mas um conjunto de fatos e produtores e por aí vai.

13) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Beto Cunha: Digo que é uma guerra e um guerreiro não foge da luta.

14) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Beto Cunha: Vale apena se o Festival de Música for bem organizado e planejado com bastante antecedência.

15) RM: Na sua opinião, hoje os Festivais de Música revela novos talentos?

Beto Cunha: Sim. Mas não como antigamente, o mercado musical está muito saturado por conta da quantidade músicos disputando o seu nicho.

16) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

 Beto Cunha: Uma manipulação do gosto do povo.

17) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Beto Cunha: Todos os projetos são bons para revelar artistas com talentos e anônimos. E pessoas como você (Antonio Carlos Barbosa) com a sua revista RitmoMelodia desde 2001 vem ajudando muito abrindo espaço para novos artistas.

18) RM: Quais os seus projetos futuros?

Beto Cunha: Organizar um show autoral com vários artistas anônimos.

19) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Beto Cunha: [email protected] |(21) 98549 – 2248 (WhatsApp)


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.