André Henriques

André Henriques 1 Entrevista - Música - Revista Ritmo Melodia
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Tempo de Leitura: 5 minutos

O cantor e compositor André Henriques atua no cenário musical desde 1984 em casa de shows, como: “Asa Branca” com o Grupo Mistura Brasileira; Casa de Shows Scala; Restaurante Roda Viva (Urca); Hotel Meridien; Nanci – França Drink Café Humaitá; SESC Madureira, CASARTI, FINEP.

Já dividiu palco com Salgado Maranhão, Zezé Motta, João Donato, entre outros. É músico do Projeto Calçadas Musicais para prefeitura do Rio de Janeiro.

Segue entrevista exclusiva com André Henriques para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 12.08.2019:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

André Henriques: Nasci no dia 09.08.1961 no Rio de Janeiro (RJ).

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

André Henriques: No colo de minha mãe sendo ninado ao som das canções de Nelson Gonçalves.

03) RM: Qual a sua formação musical?

André Henriques: Sou autodidata na música.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

André Henriques: No passado: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gonzaguinha, Milton Nascimento, Nelson Gonçalves, Jamelão, Maysa, Lupicínio Rodrigues. Atualmente são poucos que merecem ser escutados, pois estamos muito pobres de melodia e poema (letra).

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

André Henriques: Em uma casa de show Western Club no bairro Humaitá no Rio de Janeiro (RJ) que não existe mais.

06) RM: Quantos CDs lançados?

André Henriques: Lancei dois discos gravados em casa para registrar e mostrar o intérprete e o compositor.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

André Henriques: Eclético, pois canto do Samba a Bossa Nova, do Xote a música Afro, do Bolero a Balada.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

André Henriques: Não estudei

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

André Henriques: Acho importante, pois é a principal ferramenta para  um cantor saber usar e cuidar da Voz.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

André Henriques: Gilberto Gil, João Bosco, Milton Nascimento, Ellen Oléria, Vander Lee..

11) RM : Como é o seu processo de compor?

André Henriques: Sou mais melodista as letras chegam as vezes com um norte outras me deixam a vontade e mergulho nelas  e a melodia nasce

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

André Henriques: Olten Jorge. Euclides Amaral, Flavio Lima, Sandra Serrado, Rafael Pereta.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

André Henriques: Rubens Cardoso gravou “Sobras”.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

André Henriques: Ser independente é estar disposto a fazer tudo por sua carreira musical.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

André Henriques: Dentro do palco me divirto. Fora do palco observo o que tem de bom tocando nas rádios que é muito difícil hoje em dia, pois além do meu trabalho autoral, eu sou uma musico da noite preciso sobrevier e pagar as contas

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

André Henriques: Trabalhar participando em Festivais de Música e se mostrar pelo país e conhecer parceiros e compositores.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

André Henriques: Ajuda quando você domina as técnicas de divulgação e atrapalha quando não entende o processo e mesmo assim tenta fazê-lo.

18) RM : Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (home estúdio)?

André Henriques: Vantagens são de que você monta um mosaico e quem não é do meio não percebe desvantagens talvez a perda de algumas frequências

19) RM : No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

André Henriques: Acredito no meu potencial e divulgo o meu trabalho.

20) RM: Como você analisa o cenário do Samba. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

André Henriques: Sinceramente a década de 90 foi muito rica com grandes sambistas aparecendo Zeca Pagodinho, “Fundo de Quintal”, Jovelina Pérola Negra, Os grupos de Samba do Pagode as rimas são muito pobres e não me agradam.

21) RM : Qual ou quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

André Henriques: Em atividade Gilberto Gil sempre inovando, Caetano Veloso, Chico Buarque, O pessoal do Axé music, os sertanejos.

22) RM : Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

André Henriques: Eu me apresentei em um colégio no auge do nosso pop rock nos anos 80 e a plateia me dando uma grande vaia e eu pedi que me deixassem cantar três músicas se não agradasse eu iria embora. Foi fantástico reverter à situação e ganhei a plateia. Foi a primeira vez que antes de tocar recebemos o cachê como combinado.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

André Henriques: Feliz fazer o que gosto e ter criado meus filhos com meu trabalho na área musical. Triste a falta do reconhecimento e o desprezo com que alguns donos de Casa de Show e Bar tratam nossa classe musical.

24) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

André Henriques: Moro no Rio de janeiro aonde o Samba, o Funk, o Pagode e o Sertanejo desfilam em todos os locais de show.

25) RM: Quais os músicos, bandas da cidade que você mora, que você indica como uma boa opção?

André Henriques: Existem Vários da velha guarda. Todos os que se apresentam no Beco das Garrafas no bairro de Copacabana; não citarei nomes para não se esquecer de algum nome. Os musicais que estão em cartas com um naipe de cantores e músicos extraordinários; crescemos nesse nicho. Quem está Chegando: Fabricio Fortes e Ana Neves com sua MPB que morde; Juçara Freire com a sua doce interpretação; Rubens Cardoso compositor e instrumentista fantástico, Flavio Lima com belas canções…

 26) RM : Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

André Henriques: Sim, pois hoje as plataformas digitais dão essa oportunidade das músicas serem conhecidas sem o pagamento do jabá para poderem ser tocadas na programação das rádios convencionais.

27) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

André Henriques: Estude, pois o mercado tem espaço para todos e seja fiel a você aos seus valores pessoais e profissionais.

28) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

André Henriques: Festival de Música é um espaço para mostrar o trabalho musical, mesmo que você não ganhe nada é uma oportunidade de estar em um palco com grandes compositores e artistas do mesmo nível. É uma grande motivação.

29) RM: Na sua opinião, hoje os Festivais de Música revela novos talentos?

André Henriques: Hoje o Festival de Música não revela tanto talentos como já foram nos anos 60, 70, 80 até porque o momento do país é outro, mas mesmo assim é importante participar. Os bastidores dos Festivais de Música são maravilhosos.

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

André Henriques: A grande mídia faz uma imposição, pois se você é um queridinho ou paga o jabá tem espaço em programa de Rádio e TV. Por isso, nesse momento a melhor opção são as plataformas digitais para divulgarmos a nossa música.

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

André Henriques: Quando você é escolhido por quem faz a programação da agenda musical e consegue fazer o circuito nacional é uma ferramenta de divulgação fantástica.

32) RM: O circuito de Bar de sua cidade ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

André Henriques: No momento fico dividido, pois muitos músicos entrando no mercado querendo tocar por “uma merreca”, cachê baixo desvalorizando esse mercado musical.

33) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Vicente Viola?

André Henriques: Um grande amigo compositor e cantor fantástico, pois cantava em sete idiomas. Era um grande estudioso e aprendi muito com ele. No dia 25 janeiro de 25.01.2019 nos deixou e sentiremos muitas saudades dele, mas ficou a sua obra musical.

34) RM: Quais os seus projetos futuros?

André Henriques: Em 2019 gravar um CD com minhas músicas inéditas e um CD com minha interpretação de Sambas.

35) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

André Henriques: [email protected] | (21) 98856 – 2454 | 99153 – 9271

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Vitória Virtus Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Vitória Virtus
Visitante
Vitória Virtus

Parabénsssssss!!!

Vitória Virtus
Visitante
Vitória Virtus

Excelente entrevista, parabénsssssss!!!

Tagged
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.