Jocélio Amaro

O cantor e compositor paraibano Jocélio Amaro iniciou a carreira no final dos anos setenta, apresentando-se em atividades escolares, show de calouros em Cajazeiras – PB.

Traz consigo a influência da jovem guarda, passando por outros cantores românticos como Fernando Mendes que seria sua referência no romantismo. Foi nos anos 80 ao ingressar no curso de História na Universidade Federal da Paraíba que começa a tomar contato com a poesia engajada (reflexiva) com influência de Geraldo Vandré, Luiz Gonzaga, Belchior e outros. Através dos festivais da canção por todo o país passa a viver a sua musicalidade.

Neste período, começou a sua trajetória pelos Festivais da Canção de Cajazeiras e pelo nordeste tendo várias de suas canções se destacando nestes eventos como: Aldeia Global, América Católica, Falsos Valores. Chegando a participar de um outro gênero musical que foi o Forrofest – evento produzido pelo Estado da Paraíba em parceria com a TV Globo local, o que o levou a classificar-se em duas finais.

No final dos anos 90 migra para São Paulo levando consigo seus sonhos de colocar sua musicalidade pelos grandes centro do país passando a apresentar-se em bares e nos mais diversos palcos alternativos. Participou de alguns projetos como: Quebrada Cultural, Virada Cultural, Encontro das Artes e também por casas de cultura, oficinas Culturais e outras mais. Nestes quinze anos de São Paulo, chegou a produzir cinco CDs e uma coletânea junto com o cantor e compositor baiano Paulinho Jequié. Jocélio Amaro também tem parcerias com a Banda Tocaia da Paraíba; com o cantor e compositor paulistano Zulu de Arrebatá e com os poetas: Gildemar Pontes, Irismar de Lira e Maciano Vasquez. Algumas de suas canções também foram gravadas pelos cantores César Fontes, Adilson Aragão e Carlos da Fé.

Segue abaixo entrevista exclusiva de Jocélio Amaro para a em 26.09.2016:

01-) Ritmo Melodia – Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Jocélio Amaro – Nasci no dia 26/09/1962 em Cajazeiras – Paraíba.

02-) RM – Conte como foi o seu primeiro contato com a música?

Jocélio Amaro – Quando ainda criança, nas aulas de educação artística, eu sempre me realizava nas artes das melodias das músicas. Eu era péssimo em desenho (risos). Posso falar que essa disciplina descobriu Jocélio apaixonado por músicas. E através das manifestações religiosas em que eu acompanhava a minha mãe cantando benditos em procissões.

03-) RM – Qual sua formação musical e acadêmica fora música?

Jocélio Amaro – Tenho nível superior, formado em História pela Universidade Federal da Paraíba. Em relação a música, ainda sou aluno pelos palcos da vida porque a música não pode parar.

04-) RM – Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Jocélio Amaro – Pelo fato de minha família atuar nas principais emissoras de rádio da minha cidade, cresci ouvindo Luis Gonzaga, Teixeirinha, Roberto Carlos, Geraldo Vandré, Zé Ramalho Fagner e Fernando Mendes entre outras pérolas dos anos 80. Hoje, Maria Gadú, Ana Carolina, Jeneci , Vander Lee e muitos que vão aparecendo no meio desse meio tão competitivo. Temos  ainda muita gente boa sem oportunidades.

05-) RM – Quando, como e onde  você começou sua carreira musical?

Jocélio Amaro – . Iniciei cantando em programa de calouros em Cajazeiras – PB, interpretando as músicas que se destacavam por volta de 1977 e após entrar no curso de História na Universidade Federal da Paraíba – UFPB e fiquei mais atento às canções mais engajadas politicamente e Geraldo Vandré passaria ser minha referência. E vim para São Paulo em 1997 aonde estou até hoje.

06-) RM – Quantos discos lançados e quais os anos de lançamento(quais os músicos que participaram das gravações)? Qual o perfil musical de cada álbum? E quais as músicas que você acha que caíram no gosto do seu público?

Jocélio Amaro – Seis CDs nos de 2000 a 2014. O perfil de cada álbum é o perfil de Jocélio Amaro que é música popular. As músicas que se destacaram são: Aldeia Global, América Católica, Páginas Amarelas, Morena.

 DISCOGRAFIA:

  • Balaio Rítmico 2000
  • Em paz com o meu silêncio, 2002
  • Entre Baladas e Repentes, 2005
  • Nostálgico, 2009
  • Jocélio Amaro Acústico, 2014
  • Jocélio Amara e Paulinho Jequié, coletânea.

08-) RM – Como você define seu estilo musical?

Jocélio Amaro – Além de cantar as reflexões das lutas populares, eu canto poesia em uma linha romântica! Poeticamente transito em temas mais universais, mas sempre me surpreendo “surfando” em temas regionais que caracteriza a luta do povo nordestino. No momento tenho mergulhado nos meus labirintos buscando entender meus conflitos que com certeza irão refletir no meu próximo trabalho.

09-) RM – Como você se define como cantor/intérprete?

Jocélio Amaro – Posso não ter um timbre de voz comercial, mas sou forte em palco, porque sou autêntico com meus sentimentos. Deixo a emoção cantar por mim.

10 -) RM – Quais os cantores e cantoras que você admira?

Jocélio Amaro – Ah! pergunta difícil de responder, na íntegra, porque são muito: Belchior, Chico César, Sacha Arcanjo, Zulú de Arrebatá.

11-) RM – Quem são seus parceiros nas composições musicais?

Jocélio Amaro – Muitas das músicas que gravei nos meus CDs são de minha autoria. Tenho alguns parceiros musicais: Zulú de Arrebatá, Adilson Aragão, Célio Sousa, Marciano Vasques, Gilberto Álvares e Banda Tocaia da Paraíba.

12-) RM – Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Jocélio Amaro – A gravação independente nos dá a autonomia de editar o nosso trabalho, mas também dificulta a distribuição no mercado.

13-) RM – Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Jocélio Amaro – Eu me engajo nos projetos culturais e divulgação nas redes sociais além dos convites para se apresentar em diversos  eventos.

14-) RM – Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver sua carreira?

Jocélio Amaro – A divulgação do meu trabalho nas redes sociais e todas as entrevistas dadas em jornais, rádios e televisão, principalmente no Nordeste.

15-) RM – O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Jocélio Amaro – As redes sociais, por enquanto, só me favoreceu.

16-) RM – Quais as vantagens e desvantagens do fácil acesso a tecnologia  de gravação (home studio)?

Jocélio Amaro – A vantagem é o barateamento da produção e a desvantagem é a falta da oportunidade de fazer um trabalho com mais avanços tecnológicos.

17-) RM – No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Jocélio Amaro – Procuro trabalhar com um público mais consciente que tem a capacidade de absorver e valorizar o meu trabalho. Vou usar uma frase bem clichê aqui “o que vale não é a quantidade, mas a qualidade” ou seja, não tenho o maior público em quantidade, mas tenho um público sincronizado com meus anseios.

18-) RM – Como você analisa o cenário musical brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Jocélio Amaro – Temos uma diversidade musical em uma briga pertinente entre algumas revelações muito boa com o lixo que polui as cabeças influenciadas pelo nada.

19-) RM – Qual ou quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Jocélio Amaro – Lenine , Edvaldo Santana, Chico César,Maria Gadú…ah, são tantos!

20-) RM – Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Jocélio Amaro – Fui convidado para fazer uma festa junina, ou seja,  cantar forrós nas quadrilhas juninas. No final da festa alguém ao invés de gritar aquela velha frase “canta Raul”,  eu tive que ouvir canta Michael Jackson (risos).  Vamos combinar que a ocasião não era propícia(risos).

21-) RM – O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Jocélio Amaro – Mais feliz um bom palco com um bom público e o mais triste os critérios usados no nosso país para o reconhecimento de um bom trabalho artístico.

22-) RM – Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

Jocélio Amaro – São Paulo ainda é uma grande referência para quem quer viver da sua arte independente de qualquer coisa. Ainda me sinto abraçado aqui.

23-) RM – Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Jocélio Amaro – Os Alfazemas, Felipe de Paula e Rozamato. São artistas independentes de Fortaleza- Ceará. Carlos Malungo, Darc Maia e Adilson Aragão.

24-) RM – Quais os cantores e cantoras que gravaram as suas canções?

Jocélio Amaro – César Fontes, Adilson Aragão com Carlos da Fé, Banda Tocaia e Zulú de Arrebatá.

25-) RM – Você inscreve as suas músicas em Festivais?

Jocélio Amaro – Ultimamente não, mas já venci alguns Festivais de Música nos anos 90.  Cajazeiras sempre foi à vanguarda dos Festivais de Músicas da Paraíba, por lá passaram Elba Ramalho, Chico César entre outros. E nos anos 80 iniciei a minha trajetória nos Festivais sempre me colocando entre os primeiros colocados, e também já participei em outros estados brasileiros.

26-) RM – O que acha da importância dos Festivais para lançar novos talentos para um grande público?

Jocélio Amaro – Seria um critério mais justo.  Temos uma carência de Festivais mais completos em que além de selecionar intérpretes, deveria também promover o compositor. Sinto saudades dos antigos Festivais das canções espalhados por todo o nosso país até nas pequenas cidades aonde a gente não tinha toda essa mídia. A gente tinha mesmo era uma essência espetacular da emoção em todas as dimensões da arte.  A proposta era mesmo de revelar talentos.

27-) RM – Você acredita que as suas músicas tocarão nas rádios sem pagar o jabá?

Jocélio Amaro – Olha eu sou um privilegiado, pois no Nordeste tocam minhas músicas sem jabá, principalmente em Cajazeiras – PB onde todas as emissoras tocam as minhas músicas. Sei o quanto essa política do jabá atravessa o caminho de todo artista.

28-) RM – O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Jocélio Amaro – Que aprenda a “matar um leão todo dia”.

29-) RM – Quais as suas principais críticas a mídia?

Jocélio Amaro – Justamente pela cobrança injusta do jabá.

30-) RM – Quais os prós e contras da sua voz ser semelhante ao do cantor e compositor Belchior?

Jocélio Amaro – Olha você é mais um que está me falando dessa semelhança. Lembro-me de quando cheguei aqui fui muito criticado por querer “imitar” o Belchior, quando na verdade eu nem tinha essa percepção e nem intenção de imitar ninguém. A semelhança era apenas o timbre da minha voz com a dele. Com o desenvolvimento do meu trabalho o meu público chegou a conclusão que eu era apenas Jocélio Amaro embaixo da minha própria sombra.

31-) RM – Qual seu contato pessoal e profissional com Belchior?

Jocélio Amaro – Pessoal,  eu acho que nem eu e nem mais ninguém(risos). Profissional, só a admiração pelo “rapaz latino americano”. Eu acho que o contato que o Belchior tem hoje é com a paz do seu silêncio.

32 -) RM – Quais os motivos lhe trouxeram para tentar uma carreira musical em uma grande metrópole como São Paulo?

Jocélio Amaro – A princípio por questão familiar, mas por outro lado com o pensamento voltado em atuar em uma cidade que atua como guarda-chuva para todos os compositores que a vêem como vitrine, apesar de ser tão questionada pela violência.

33-) RM – Fale do caráter social da suas canções. Qual seu maior sonho de sociedade ideal?

Jocélio Amaro – A minha poesia caminha lado a lado com os mais diversos setores da nossa sociedade principalmente com as camadas mais simples e excluídas socialmente. O meu desejo é ver a terra distribuída de uma forma justa dando ao camponês o direito de plantar e colher, bem como ver solucionado o problema de habitação e também da violência institucionalizada nesse país.

34-) RM – Como você dividiu a carreira musical com sua profissão na empresa Correio?

Jocélio Amaro – É difícil uma vez que você passa a ser um músico sempre programado para as atividades noturnas e isso impede de você estar, nos mais diversos lugares dando uma velocidade maior ao seu trabalho e estes espaços alternativos São Paulo sempre ofereceu.

35 -) RM – Fale do seu contato com os músicos de São Miguel Paulista e outros parceiros musicais?

Jocélio Amaro – Foi uma experiência maravilhosa uma vez que em São Miguel Paulista, estive ao lado de grandes compositores como: Sacha Arcanjo, Raberuan, Zulu de Arrebata, Edvaldo Santana. Ainda sonho produzir um grande encontro com estes músicos para revivermos o Movimento Popular de Arte que não pude conhecer.

36-) RM – Quais os seus projetos futuros?

Jocélio Amaro – Tenho um projeto que há muito tempo está engavetado em minha mente que é o de organizar os meus arquivos com o objetivo de perpetuar as minhas lembranças em  minha vida e nas vidas das pessoas que sempre estiveram presentes comigo nessa caminhada.

37-) RM – Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Jocélio Amaro –  Jocélioamaro@hotmail.com | Jocélioamaro@ig.com.br |(11) 9.7952 – 5223 (TIM) | (11) 9.9944 – 3045(VIVO)

O que achou? Comente aqui!