O Bar é o cemitério do músico?

A música Nos Bailes da Vida do cantor e compositor Milton Nascimento: Foi nos bailes da vida ou num bar \ Em troca de pão \ Que muita gente boa, pôs o pé na profissão \ De tocar um instrumento e de cantar. \ Não importando se quem pagou quis ouvir. Foi assim… Cantar era buscar o caminho \ Que vai dar no sol \Tenho comigo as lembranças do que eu era \ Para cantar nada era longe tudo tão bom \ Até a estrada de terra na boleia de caminhão. Era assim \ Com a roupa encharcada e a alma \ Repleta de chão \ Todo artista tem de ir: a onde o povo está \ Se for assim, assim será \ Cantando me disfarço e não me canso \ De viver nem de cantar.

Para alguns músicos, essa letra era a discrição perfeita da relação profissional do músico com Casa de show e Bar. Mas analisando esta relação profissional entre empresários e músicos existem alguns interesses convergentes e divergentes. Mas é preciso primeiro entender o conceito de fazer um Show e de ser um Fundo Musical. No Show o público vai para assistir o artista e se servir dos serviços de bebidas e comidas do local. Ser o Fundo musical é quando o público tem o foco em beber e comer, não se importando com quem vai está se apresentando no local.

No passado a apresentação musical era só no Teatro e para um público que podia pagar. Com a música popular ganhando as ruas, os Cafés Cantantes, as Boates e os Circos abrigaram os artistas com a carreira em decadência que perderam espaço no Teatro e os que nunca se apresentaram no Teatro. Músicos que se apresentavam para o público que não tinha como pagar o ingresso do Teatro e se vestir conforme a elite. A letra acima mostra um cenário de uma época moderna dos anos 50 do Rock, Jazz, Samba, Música Popular Brasileira e gestação da contracultura dos anos 60 e 70. O Cantar operístico e o cantar popular tinham espaços distintos. Os Cafés Cantantes, as Boates e os Circos eram os espaços para o povo ouvir o que era tocado no Teatro. Existia um horário para a apresentação e o público fazia silêncio total para ouvir e reverenciar o desempenho do artista. Os Festivais de Música eram outro espaço para música de compositores em ascensão.

O Bar ao longo dos anos passou por transformações, como local para Karaokê para cantores amadores e o público em geral soltar a voz. A local de sobrevivência de músicos que não conseguiram; por vários motivos ao longo da carreira, consolidar uma carreira autoral com fãs que pagassem por seu Show. Alguns músicos têm o Bar como sinônimo de cemitério de sua carreira. Já que os donos só permitem tocarem os sucessos de músicos famosos. Tem que ser um excelente cantor e instrumentista, mesmo que no geral o público não esteja dando atenção para sua apresentação. O cachê muitas vezes é irrisório e a qualidade do equipamento de som do local é ruim ou o músico tem que levar o seu equipamento. Mas o músico que entender a função do Bar hoje; sofre menos, pois não cria a expectativa que está fazendo um show para 100% dos seus fãs. Mas fazendo o Fundo Musical de qualidade sendo acompanhado pelos os arranjos incidentais do talheres e mastigações, tendo como backvocal as conversações, gargalhadas e histeria coletiva do público. O músico que tem o foco e convicção na música autoral não tem mais o Bar como o palco para os primeiros passos da sua profissão de tocar um instrumento e de cantar. Vai procurar cantar e tocar para quem quer lhe ouvir.

O que achou? Comente aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*