Eu & o Contrabaixo

Saber qual é o seu instrumento, só tocando. O meu primeiro instrumento o Tamborim tocando em escola de Samba. A primeira frustração começou nas aulas de Violão, quando o professor sentenciou que não era “o meu instrumento”. Mas quando aprendi tocar o Contrabaixo, aprendi tocar o Violão. Mas o Teclado foi o meu primeiro investimento no estudo musical.

O mestre Jorge Ribbas foi responsável pelos os meus primeiros passos no estudo musical na Musidom aprendendo a tocar o Teclado, mas em menos de três meses de estudo, eu chego na aula de Teclado, como um Contrabaixo. O mestre sem entender muito bem a troca, ai expliquei que pela falta de baixista na banda que formei, eu mudei para o Contrabaixo. Achei que seria fácil, pois troquei 61 Teclas por 4 Cordas. Na prática cada corda pesa como se juntasse as 6 do Violão. A banda acabou, mas descobri o meu instrumento e o Amor e Paixão na primeira digitação. A minha facilidade com a percepção do ritmo facilitou no estudo do Contrabaixo.

Vinte anos depois ouvindo clássicos do rock americano percebi minha predileção pelas linhas do Contrabaixo nas músicas. Quem quiser saber o nascimento, crescimento e o amadurecimento do Contrabaixo, escute Rock e Blues. O início de tudo deste instrumento. Depois que o baixista dominar e enjoar das linhas; só começar a ouvir Funk e Jazz para o negócio começar a entortar e só continua gastando os dedos nas cordas graves os fortes. Sobrevivendo, o contrabaixista vai usar o instrumento com a consciência melódica. O Contrabaixo é acima de tudo o contra canto da melodia da música.

No começo o Contrabaixo era quase irmão gêmeo do Bumbo, só que emitia nota musical. Mas ficava colado na linha que o baterista fazia no bumbo. A sinergia baterista e baixista era óbvia nas bandas de Rock, Blues, Funk e Jazz.

Na primeira evolução o contrabaixo se libertou de seguir como cativo à linha do Bumbo da Bateria. Mas quando nem toma mais conhecimento do Bumbo chega à independência total. Nessa fase alguns baixistas podem cometer o erro de achar que é o solista na banda. E se perdem na função e podem não se encontram mais… Alguns mudam de instrumento e passam a tocar Violão, Guitarra ou Teclado. Menos mal…

O mestre Jack Lima foi o primeiro a me conscientizar da função do Contrabaixo como o contra canto, ou seja, foco na melodia da música. Intuitivamente e por falta de desenvoltura no instrumento. Quando gravei as linhas de contrabaixo no primeiro CD da Reggaebelde fui por esse caminho melódico e não me arrependi. O Contrabaixo é Peso… Pode não se ouvir, mas, se sente na música…

O que achou? Comente aqui!